quarta-feira, 10 de agosto de 2011

2 minutos de amor



A água continuou a cair em abundância. O chuveiro fazia seu barulho e a menina foi forçada a adentrar sua cortina de vapor e água. Sob o jorro do líquido quente, ela recontava, mentalmente, a rotina do desconhecido, a repetição da fulgacidade, os passos até e após ali. Apoiou-se calada.

A serpente rastejava pelo chão empoeirado, traçando seu corpo naquela camada de terra, marcando-o como se existisse o nunca. Calmamente fechou os olhos e deixou as águas lavarem-na. Anoitecer quente, lábios tocados, sorriso forçado para ser roubado, mais um decote para os cílios afastar, saia jeans, salto alto, respiração ofegante. Balançou a cabeça, os longos cabelos encobriam-lhe o rosto, juntos sambavam de um lado ao outro, entrando e saindo dos domínios que escorriam do chuveiro.

As serpentes se enroscaram, se abraçaram sufocantemente, se cravaram. Quem sentiria mais a mesma dose de veneno que pingava em ambos os corpos? A água foi ordenada a parar, a menina tocou seu próprio corpo, cantou seus desejos com as mãos, e com elas se agasalou em uma toalha. Lábios no batom. Roupa no corpo. Coração no armário.

As serpentes se afastaram, acreditaram que estavam intactas, cruzaram a mesma trilha, seguiram até se encontrarem com suas mortes, embora não se reconhecessem nem percebessem que o sorriso pintado nos lábios escondia a tristeza da próxima felicidade.

Um comentário:

  1. Porra cara, tu mandou muito bem, você sabe trabalhar bem com a descrição, o que deixa o texto mais atraente.
    Gostei.

    ResponderExcluir