quinta-feira, 17 de março de 2011

Desafinado coração


Vou captar os últimos momentos que passamos, as últimas incertezas por onde navegamos. O último sabor dos seus lábios, o seu cheiro e até a cor do seu cabelo. De cor saberei seus defeitos, seus devaneios e o meu peito se encherá: sorrirei pelo seu cativante ontem. Vou sentir as últimas batidas do meu coração por essa história. Num amanhã, terei aprendido que o meu problema foi ter me prendido a uma possibilidade irreal.

Antes de você fechar esta porta, de nós dois, posso lhe fazer um último pedido?

Não desdém do nosso amor na continuidade da vida, porque eu acreditei nele até o fim. E vou guardá-lo: cheio de vida, em um dos altares que tenho no lado esquerdo do peito.

2 comentários:

  1. cara, li alguns dos seus texto e.. uau.
    você escreve muito bem!
    gostei mesmo, serio.
    vou voltar e ler mais '-'

    ResponderExcluir
  2. Gostei do que li por aqui.
    Permaneço.
    Abraço!

    ResponderExcluir